segunda-feira, 5 de agosto de 2019

Te cuida, Dino! Bolsonaro quer mais rigidez sobre contas dos estados

O Ministério da Economia pretende criar um órgão no ano que vem para mudar regras de prestação de contas dos estados e elevar a rigidez no acompanhamento das contas públicas.

A informação é da Folha de S. Paulo.

“A visão no governo é que os tribunais de contas estaduais falharam no acompanhamento de receitas e despesas nos últimos anos e deram aval a metodologias de cálculo que contribuíram para esconder os números reais. Isso, na avaliação da atual gestão, fez limites legais estourarem em pelo menos 14 estados ao fim de 2018”, diz a publicação.

A medida pode atingir em cheio o Maranhão. Nas contas do Ministério da Economia, por exemplo, a gestão Flávio Dino (PCdoB) já consome 57,3% da Receita Corrente Líquida (RCL) com o pagamento de pessoal.
O limite da Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF) é de 60%.

Mas, nas contas dos comunistas, o percentual é de apenas 51,8.
O principal problema a ser corrigido, na visão do governo, é justamente esse. Ao longo dos últimos anos, diversos estados teriam maquiado o real nível de despesas, recebendo aval dos tribunais de contas regionais.

A LRF estabelece que a despesa com pessoal nos estados não pode exceder 60% da receita corrente líquida. No entanto, alguns deles deixam de considerar na conta gastos com pensionistas, Imposto de Renda Retido na Fonte e obrigações patronais.

A diferença de metodologias fez nove estados se declararem dentro dos limites de gasto enquanto estouravam os limites nas contas feitas pelo Tesouro Nacional.

Por Gilberto Léda

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Atenção: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Blog Zaidan de Sousa. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Blog poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.