quarta-feira, 9 de agosto de 2017

Juíza nega internação a agressor da própria mãe

A juíza titular da 8ª Vara Criminal, Oriana Gomes, negou o pedido de internação do bacharel em Direito, Roberto Elísio Coutinho de Freitas, o Gordo, de 50 anos, em uma clínica de reabilitação, localizada na Ilha, solicitada por seus advogados. A decisão foi tomada ontem durante a audiência de instrução ocorrida no Fórum Desembargador Sarney Costa, no Calhau. O advogado é acusado de ter agredido e ameaçado a própria mãe, Joseth Coutinho Martins de Freitas, de 84 anos, em sua residência, no bairro do Vinhais. Ele está preso desde o dia 26 de maio deste ano, no Complexo Penitenciário de Pedrinhas.

Ontem, o acusado participou da primeira audiência de instrução, presidida pela magistrada Oriana Gomes e contou com a participação do promotor de Justiça do Idoso, José Cutrim e do advogado de defesa de Roberto Elísio, Jânio Queiroz. Durante a audiência foram ouvidas sete testemunhas de acusação e defesa. Roberto Elísio também prestou depoimento.

O advogado de defesa solicitou à magistrada que o seu cliente pudesse ser transferido para uma clínica para fazer o tratamento da doença de esquizofrenia, mas a solicitação foi negada de imediato pela magistrada. Segundo a juíza, o laudo do exame em que Roberto Elísio foi submetido deve ser analisado com exatidão. Ela informou que só vai se pronunciar sobre esse processo depois de analisar as delegações finais do Ministério Público e das testemunhas de acusação. “Devemos analisar esse caso com muita exatidão, pois é de alta complexidade”, declarou a juíza.

Violência - Na noite de 25 de maio circulou na rede social um vídeo em que Roberto Elísio Coutinho aparece agredindo a sua genitora com um pedaço de ferro e ainda psicologicamente, puxando à força o seu braço e lhe dando empurrões. A vítima é professora aposentada de uma universidade pública e ainda sofre de Alzheimer.

A polícia foi informada do fato e o caso foi investigado pela Delegacia do Idoso, coordenada pela delegada Igliana Freitas. Após ter ciência do caso solicitou ao Poder Judiciário a prisão preventiva do acusado e a ordem judicial foi cumprida no dia 26 de maio.


Roberto Elísio Coutinho foi preso na residência da família, em Raposa, e foi autuado pelos crimes de tortura, violência doméstica, ameaça e cárcere privado, que tem pena acima de 20 anos de cadeia. Ainda segundo a delegada, cabe ao agressor, que se diz portador de esquizofrenia, provar essa situação na Justiça, por meio de exames médicos.