quinta-feira, 30 de março de 2017

Entenda por que você não deve segurar a urina por muito tempo

Se você é do tipo que segura a vontade de fazer xixi para terminar uma conversa, concluir uma tarefa, ver o finalzinho daquele filme ou simplesmente por preguiça de levantar e ir até o banheiro, é melhor repensar essa atitude. É certo que os efeitos mais graves acontecem somente quando essa “segurada” acontece repetitivamente e por longo tempo, mas entre as consequências estão o aumento de chances de infecções e a impossibilidade de esvaziar a bexiga totalmente.

Adultos conseguem comportar 500 ml de urina até sentirem a necessidade de ir ao banheiro. Receptores controlam a capacidade da bexiga e quando o limite é atingido eles enviam uma mensagem ao cérebro que provoca a vontade de urinar. Quando você decide segurar, a saída da bexiga se contrai para não deixar a urina chegar à uretra. A consequência a curto prazo, é você terminar com as calças molhadas.

O resultado a longo prazo implica no enfraquecimento do músculo da bexiga e impossibilidade de conter a necessidade de fazer xixi ou de eliminar 100% da urina. No segundo caso, a sua bexiga se torna um ambiente perfeito para a proliferação de bactérias e, consequentemente, infecções. Segundo a Associação Mineira dos Centros de Nefrologia (Amicen), os sintomas da infecção urinária são incômodos, incluem urina turva, vontade constante de urinar, dores no abdome ou costas e ardor ao urinar. Eles, porém, são tratáveis e desaparecem cerca de 48 horas após o início do tratamento, caso a infecção não tenha afetado os rins.

Ao mesmo em que as mulheres são “melhores” em segurar a vontade de urinar, elas também têm 50 vezes mais chances de sofrer infecções do que os homens. Segundo o Ministério da Saúde, 30% da população feminina apresenta infecção urinária ao longo da vida. O ideal é esvaziar a bexiga pelo menos a cada quatro horas, de acordo com a fisioterapeuta Marcelle Pinheiro. É claro que segurar o xixi não é a única causa do problema, a lista inclui: anatomia, menopausa, relações sexuais, higiene pessoal e uso de fraldas.

Complicações e tratamento
A infecção urinária deve ser tratada com acompanhamento médico e uso de antibióticos. Sintomas como dor nos flancos e costas, calafrios e febre podem indicar o avanço da infeção para os rins. O risco de infecção do sangue, porém, é mais alto em crianças e idosos. A melhor forma de combater o problema é a prevenção e hábitos saudáveis. Higiene, ir ao banheiro sempre que sentir necessidade e urinar antes e após relações sexuais estão entre os principais cuidados, de acordo com a Amicen.

Do Yahoo Notícias