segunda-feira, 20 de fevereiro de 2017

Levantamento mostra que o Maranhão segue entre os piores do país em saneamento básico

No Maranhão, mais de 87% da população continua sem acesso a sistemas de esgotamento sanitário. O levantamento foi feito pelo G1 com base em dados mais recentes do Sistema Nacional de Informações sobre Saneamento (SNIS), divulgados em janeiro deste ano e referentes a 2015, primeiro ano de governo de Flávio Dino (PCdoB), que derrotou o clã Sarney um ano antes sob o discurso da mudança.
De acordo com os dados, apenas 12,1% dos maranhenses têm acesso à coleta de esgoto, o que significa que mais de 5,5 milhões de pessoas ainda utilizam alternativas para lidar com os dejetos no estado — seja por meio de uma fossa, seja jogando o esgoto diretamente em rios.
Quanto ao abastecimento de água tratada, apesar da propaganda feita pelo Palácio dos Leões com dinheiro público para promover o programa Água para Todos, apenas 56,2% da população maranhense é atendida.
Em ambos os serviços, o Maranhão segue entre os piores do país. Pelo levantamento, no que se refere à cobertura de esgoto, das 27 unidades da federação, o estado fica a frente apenas do Piauí, Amazonas, Pará, Rondônia e Amapá. Já em relação ao abastecimento de água, o Maranhão fica a frente apenas do Pará, Acre, Rondônia e Amapá.