sexta-feira, 9 de setembro de 2016

Mais de 19% da população maranhense é analfabeta

Pegar ônibus, usar o caixa eletrônico, ajudar o filho nas tarefas escolares, assinar um documento. Atividades que podem parecer simples, são um transtorno para mais de 8% da população brasileira, que não sabe ler e escrever.
A preocupação aumenta, quando uma pessoa analfabeta passa por tratamento médico, que precisa de mais cuidados com a saúde, como rigor no horário de tomar os remédios.
No Hospital Universitário da Universidade Federal do Maranhão, em São Luís, a morte de uma paciente foi o ápice para uma tomada de decisão. A assistente social Gisele Pereira relembra o caso da mulher que tomou a medicação trocada por não saber ler.
“Ela estava tomando os medicamentos errados, porque nem ele, nem ela, sabiam ler. E eles tinham filhos pequenos, também não estavam estudando. Ela estava tomando os medicamentos completamente, de uma maneira errada, ela estava tomando corticoide como se fosse hipertensivo. E com o tempo, essa paciente evoluiu para óbito. E isso foi uma experiência muito negativa porque a gente tem plena consciência de que o que acelerou esse óbito foi a ignorância, foi a falta de conhecimento. Então a partir dessa experiência negativa que a gente teve, a gente disse: “não podemos mais ficar de braços cruzados. A gente precisa fazer alguma coisa.”
E fizeram. Desde 2013, o projeto “ABC Nefro” alfabetiza pacientes de hemodiálise dentro do Hospital Universitário. Pessoas com problemas renais e que necessitam do tratamento vão ao hospital três vezes por semana e ficam lá por cerca de 4h, o que dificulta ainda mais presença nos bancos escolares.
O atendimento acontece durante a própria sessão de hemodiálise e respeita a condição clínica dos pacientes. Gisele Pereira explica que existe um momento que o organismo responde melhor, geralmente a partir da segunda hora da diálise. As aulas são individuais e duram até 40 minutos.
Atualmente, 13 alunos maiores de 15 anos estão inscritos na modalidade de ensino de Educação de Jovens e Adultos, o EJA. Os cinco professores que participam do projeto são cedidos pela da Secretaria de Educação de São Luís.
Há oito anos, Neuta Ferreira, de 44 anos, faz tratamento no hospital universitário. Ela, que mora no município de Itapecuru-Mirim, a 118 quilômetros da capital maranhense, fala do progresso após começar a participar do ABC Nefro.
“Eu não sabia o nome dos meus remédios, eu já sei o nome dos meus remédios. Ás vezes eu digo assim: professora, é eu mesmo que estou lendo? É minha filha, tu tá lendo”.
O analfabetismo assola mais 19% da população do Maranhão. O número é mais elevado entre os estados da Amazônia Legal. Os dados são do IBGE, no ano de 2014, e fazem referência a pessoas maiores de 15 anos que não sabem ler e escrever.  Fonte - EBC

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Atenção: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Blog Zaidan de Sousa. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Blog poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.