sábado, 23 de abril de 2016

'Dizer que não é golpe é tampar o sol com a peneira', diz Dilma em entrevista em Nova York

Em entrevista coletiva a jornalistas internacionais, Dilma Rousseff disse que está sendo vitima de um golpe e que pedirá a suspensão do Brasil do Mercosul caso o processo de impeachment contra ela seja concretizado. "Eu alegarei a cláusula inexoravelmente se caracterizar de fato, a partir de agora, uma ruptura do que eu considero um processo democrático", disse.

A presidente Dilma Rousseff disse, em entrevista coletiva em Nova York (EUA), que está sendo vítima de um golpe e que pedirá a suspensão do Brasil do Mercosul caso o processo de impeachment contra ela seja concretizado. O Mercosul possui uma cláusula democrática que pode ser utilizada caso um governo democraticamente eleito seja deposto. O dispositivo já foi utilizado com o Paraguai. Ela reafirmou que o processo de impeachment é um golpe contra o seu governo.

"Me dizer que não é golpe é tampar o sol com a peneira", afirmou. "Eu alegarei a cláusula [do Mercosul] inexoravelmente se caracterizar de fato, a partir de agora, uma ruptura do que eu considero um processo democrático", disse Dilma. "Agora, quando isso ocorrerá, depende de fatos que eu não controlo", completou.

Afirmando que tem o direito de "defender meu mandato", a presidente Dilma fez uma referência velada ao vice Michel Temer (PMDB) ao afirmar que "pessoas ilegítimas que não tiveram um voto" querem "assumir o destino do país".

"Eu me julgo uma vítima e estou sendo injustiçada. E sou presidente da República. Isso é muito grave. Se há injustiça contra o presidente da República, se eu me sinto vítima de um processo ilegal, golpista e conspirador, o que dizer da população do Brasil quando seus direitos forem afetados? A garantia do meu direito não é garantia minha pessoal. É a garantia de que no Brasil a lei vai se sobrepor a qualquer interesse pessoal ou político. E a lei é clara. A lei e a Constituição. A lei diz: o impeachment é previsto na nossa Constituição, mas diz que para ter impeachment tem de haver crime de responsabilidade", observou.

Declaração da presidente aconteceu na noite desta sexta-feira (22), após ela discursar na sede da Organização das Nações Unidas (ONU), sobre o Acordo de Paris, que trata das mudanças climáticas. Ao final da sua fala Dilma fez referências à crise política brasileira ao citar o "grave momento que vive o Brasil". 

"A despeito disso quero dizer que o Brasil é um grande país, que soube superar o autoritarismo e construiu uma pujante democracia. O nosso povo é trabalhador e com grande apreço pela liberdade, e saberá impedir quaisquer retrocessos. Sou grata a todos os líderes que expressaram a mim sua solidariedade", disse na ocasião.

Na entrevista, porém, a presidente disse que o pedido de impeachment contra ela tem "todas as características de um golpe", porque não tem base legal.

Nova manifestação no facebook

No fim da noite de sexta-feira (22), em sua página no facebook, a presidente Dilma voltou a se manifestar sobre o golpe. Confira:

Esse processo de impeachment é absolutamente infundado. Pergunto a vocês: quem assumirá os destinos do País? Pessoas legítimas? Pessoas que têm na sua trajetória acusação de lavagem de dinheiro, conta no exterior, processo de corrupção? Não há contra mim nenhuma acusação de corrupção, nunca recebi dinheiro para me beneficiar.

Aí falam que não é golpe. O que é um golpe? Golpe é um mecanismo em que você tira pessoas do poder sem razão expressa na lei, ou seja, no acordo institucional no qual o País vive. Eu fico intrigada porque tem esse medo absurdo de quando falamos que tem um golpe no Brasil. Medo de ter um golpe no Brasil decorre de absoluta ilegalidade.

Agora, é subestimar a consciência e a capacidade de compreensão das pessoas, tanto dentro como fora do Brasil.


Essa precipitação mostra o quanto temem serem tachados de golpistas. Sabe por que temem? Porque são. Do Brasil 247