domingo, 12 de abril de 2015

Delegados do Maranhão podem entrar em greve na próxima segunda-feira, 13/4

Do Atual7
Delegados da Polícia Civil do Maranhão decidirão, em Assembleia Geral na sede da Associação dos Delegados de Polícia (Adepol) do Maranhão, em São Luís, na próxima segunda-feira (13), pela paralisação ou não das atividades da categoria em todo o estado, por tempo indeterminado, em protesto contra o governo Flávio Dino.
Desde o início do novo governo, em janeiro deste ano, os delegados tentam dialogar com Flávio Dino por melhores condições de trabalho – agravada principalmente pela indevida custódia de presos de justiça nas repartições policiais, sobretudo no interior do estado – , sendo recebidos em reunião somente pelo chefe da Casa Civil, Marcelo Tavares, e pelo secretário de Segurança Pública, Jefferson Portela, onde ficou acertado o prazo máximo de 90 dias para atender aos pleitos dos delegados.
Nesse meio tempo, ofendido nos brios por a Adepol ter dado entrada em um ofício que confirmava esses 90 dias para a implantação das medidas que favoreceriam a categoria, o governador do Maranhão foi ao Supremo Tribunal Federal (STF) argumentar contra a implantação da equiparação salarial dos delegados a de procuradores do Estado.
A animosidade entre os delegados e o comunista aumentou ainda mais quando se descobriu que, diferentemente de outros governadores, Dino não somente autorizou que a PGE entrasse com mais um recurso protelatório contra os delegados, como também assinou um recurso dentro de uma nova ação, a Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental (ADPF) no STF, contra dispositivos da Lei 4.983/1989, do Estado do Maranhão, que estabelece isonomia remuneratória entre as carreiras de procurador do estado e delegado de polícia, o que foi recebido pela categoria como uma tentativa de demarcação nitidamente contrária às suas reivindicações – além de desqualificar o trabalho de todos os delegados do Maranhão, colocando-os de pouca importância para o Estado em relação ao trabalho desenvolvido pelos procuradores.

Segundo fonte ouvida pelo Atual7, como o prazo dado por Tavares e Jefferson estoura neste domingo (12), caso o governo estadual continue a se negar em responder as tentativas de acordo, ou permaneça sem qualquer indicativo de abertura de diálogo, a categoria decidirá pela greve.

3 comentários:

  1. Não vai fazer diferença na segurança do Maranhão. Em Dom Pedro antes do assalto ao banco bradesco a polícia civil e pm foram avisadas três vezes que haviam cinco homes suspeitos em frente ao banco e não tomaram nenhuma providência. Tiveram mais duas horas para investigar e deichamam os bandidos avontade. Só comparareceran ao banco 40 minutos após o assalto.

    ResponderExcluir
  2. Não concordo com o comentário acima. Estava pela manhã no banco quando vi uma equipe da PM composta por 2(dois) policiais militares adentrarem ao banco em busca de suspeitos. Ficou todo mundo olhando na cara do outro e não passou informação aos militares.A população quer que a policia tenha bola de cristal. Tem que ajudar com denúncias. Estamos com saudades do Capitão Cid nunca mais o vi pela cidade, com aquela cara chata arrogante, prendendo vagabundos, menores irresponsáveis no trânsito. Dom Pedro perdeu muito com a saída do Otávio. Será perdeu mais ainda com a saída do Capitão Cid?

    ResponderExcluir
  3. Cobardes e ainda queren melhoras, a trabalhar que pra isso escolheron ser policiais pasan todo ano de perna esticada e queren melhoras que vergonha(

    ResponderExcluir

Atenção: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Blog Zaidan de Sousa. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Blog poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.