terça-feira, 28 de abril de 2015

Andréa Murad coloca no bolso bancada governista

Acordei na semana passada e me deparei com o motorista na sala assistindo  uma dessas sessões pela TV Assembleia Legislativa do Maranhão.
Assustado, indaguei:
– O que te fez mudar de canal?
– Essa loira corajosa que fala tudo sem medo e deixa os homens no bolso. Quando ela fala parece que veste  calça e os deputados vestem saias. Ela é porreta, siô! – respondeu.
Tratava-se de mais um discurso feito pela deputada Andréa Murad. E tem sido assim todos os dias. Até um motorista de táxi, quando meu carro estava na oficina, me respondeu que assiste a sessão quando pode só pra olhar a “mulher corajosa botar os homens pra correr”, como me disse o motora.
Andréa Murad é deputada de primeira viagem, mas assusta quando toma o leme e coloca o barco da oposiçao contra as travessias mais exaltadas.
Pouco importa se é filha de Ricardo Murad ou parente distante de Roseana Sarney, a quem chama de tia. O fato é que a loira incomoda sim todos os 38 deputados da bancada governista. Quando caminha para a tribuna, o plenário cala, os jornalistas e blogueiros na expectativa de uma nova bomba.
Percebendo que o jogo não estava sendo favorável, o governo decidiu partir pro ataque. Escalou seus fíéis escudeiros para desmontar a deputada. Detonar a loira é a missão agora de cada um. falam do pai dela, mas nenhum teve a coragem até agora de convocar ou convidar o ex-secretário de Saúde para explicar as denúncias feitas por eles.
Por último, estão colocando que empresas que trabalharam para a Saúde foram doadoras da campanha de Andréa Murad. Pode até ser imoral, mas não é ilegal.
Pior mesmo foi Flávio Dino que recebeu a milionária doação de quase R$ 4 milhões da OAS, aquela construtora baiana que está sendo investigada pela Operação Lava Jato por ter recbido e distribuído propinas da Petrobrás. Seus dirigentes estão todos presos e aceitaram a delação premiada. Mas, não por acaso, nenhum dos promotores federais teve a coragem de perguntar sobre a doação.
Segundo o procurador Geral da República, Jannot, as doações de campanhas feitas por empresas investigadas pela operação Lava Jato, são propinas. Mas jannot tem como principal assessor Nicolau Dino, procurador federal, que é irmão de Flávio Dino. Do Blog Luis Cardoso